Tratamento com e sem internação: Qual é a melhor opção e por quê?

0

Sabemos que para um tratamento psiquiátrico, pode haver ou não uma internação, mas você entende o porquê ou quando é decidido a forma do tratamento? Neste artigo você pode entender mais sobre essas duas opções.

 

  • Tratamento com internação:

A internação para transtornos psiquiátricos e dependências de álcool e drogas só é recomendada quando um paciente está numa crise muito grave, em situações extremas, onde coloca em risco a própria vida e de terceiros, ou quando o paciente não consegue progredir na abordagem ambulatorial ou interromper o uso de substâncias químicas e alcoólicas. Ao contrário do que se costuma acreditar, a internação não é necessariamente involuntária e pode partir da vontade do paciente, variando de alguns dias até 6 meses, de acordo com a necessidade. É válido lembrar também que as internações acima de seis meses não são mais ou menos eficazes que as mais curtas, mas elas devem preferencialmente se restringir ao período de crise e ser o mais breve possível. Quando o tratamento involuntário é feito, é destinado para aqueles que não possuem mais a discernimento do que é bom ou ruim para eles mesmos e com a autorização de terceiros responsáveis pelos mesmos.

 

  • Tratamento Ambulatório (sem internação):

A maioria das pessoas pode ser tratada em casa, mas apenas quando há em consciência a importância do tratamento e assim é dada a continuidade a ele, tendo uma boa relação com os profissionais responsáveis e a possibilidade de adquirir os medicamentos adequados. O tratamento ambulatorial sem internação é a melhor modalidade de tratamento, pois assim o paciente pode continuar em convívio familiar e com relações sociais e profissionais. Esses tratamentos são dedicados às pessoas que buscam por melhora, mas que não precisam deixar a sociedade para alcançar este objetivo.

 

A Clínica Prisma oferece o Hospital Dia, um método desenvolvido para suprir a necessidade de um tratamento sem isolamento social (sem internação). Com modelos de tratamento pioneiro para pessoas que precisam de um tratamento diário, mas que não necessitam ou não podem ir para uma internação integral ou ainda, para aqueles que já passaram pela internação, com o objetivo de: Motivação para se tratar, conscientização da doença, responsabilidade pelo autocuidado, promoção da autoestima, reorganização de vida, promoção da qualidade de vida e melhoria dos sintomas. Destinado a casos de: dependência química, alcoolismo, compulsões por jogo, sexo, internet, chocolate, vigorexia, depressão, síndrome de pânico, transtorno de ansiedade, Burn Out, estresse pós trauma, transtorno afetivo bipolar, transtorno obsessivo compulsivo, (não indicado para tratamento da esquizofrenia).

A busca por tratamentos psiquiátricos é uma decisão delicada para os pacientes, familiares e pessoas próximas. Por isso, é dado todo apoio do atendimento de um psiquiatra para fazer a avaliação de todo seu histórico e indicar as melhores opções de tratamento. Assim, juntos: médico, paciente e familiares, podem conversar e decidir qual será o caminho a se tomar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui