Posts

Doenças mentais também podem ser hereditárias?

Assim como doenças que atingem o físico (hipertensão, diabetes, etc.) podem ser hereditárias, doenças mentais também partilham das mesmas características e podem involuir ou evoluir com o tempo, o que torna imprescindível a necessidade de um acompanhamento criterioso do paciente.
Alguns estudos sugerem que o histórico familiar é capaz de desempenhar um papel muito importante no que se diz respeito ao desenvolvimento de transtornos como a ansiedade, a depressão, a síndrome do pânico (ou crise de ansiedade) e a dependência química. Entenda o porquê.

Ansiedade
A ansiedade é um distúrbio conhecido por influenciar a maneira com que o indivíduo pensa. Ele tem a capacidade de gerar sintomas físicos como uma visão irreal dos problemas, o medo e a preocupação em excesso, a irritabilidade, a tensão muscular, as dores de cabeça, etc.
Ela pode estar ligada ao desenvolvimento de fobias, transtornos do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, depressão ou ainda a problemas adicionais pelo uso indevido de álcool e fumo.
Por mais que não se tenha uma causa definitiva esclarecida, muitos apontam aspectos ambientais e genética como fatores principais para o seu desenvolvimento.
No caso específico da genética, fala-se sobre o funcionamento anormal de algumas células que conectam regiões cerebrais com áreas emotivas (causando alterações de humor), distúrbio que pode ser reproduzido durante a formação de um novo ser, ou seja, na gestação.

Depressão
A depressão é um transtorno ligado à tristeza extrema e negativismo. O indivíduo se considera fracassado, inadequado, sem valor ou importância e, dificilmente seria possível, a princípio, relacioná-lo à genética, certo?
No entanto, problemas na formação de neurotransmissores e neuroreceptores cerebrais específicos podem desencadear um quadro de depressão.
Não há ainda um consenso entre os cientistas, mas acredita-se que tais problemas na formação dos neurotransmissores e neuroreceptores possam ocorrer antes do nascimento, ainda na gestação.

Síndrome do pânico
Apesar de ser um subtipo do quadro de ansiedade, a síndrome (ou ataque) do pânico também possui evidências da possibilidade de seu desenvolvimento a partir de um quadro genético.
No entanto, diferente dos quadros de ansiedade e depressão, que possuem alterações físicas comprovadas as quais podem desencadear o problema, a síndrome do pânico está mais para um gene que existe, mas, se é ativado ou não é uma condição que vai depender das circunstâncias que levem o organismo a considerar essa opção.
Por isso não é incomum que muitos psiquiatras considerem que ser suscetível à síndrome não é o mesmo que desenvolvê-la, uma vez que ela precisa de estímulos externos aos quais se tenha sensibilidade.

Dependência Química
Em 1999, o Doutor em Psiquiatria Guilherme Peres conduziu um estudo sobre a suscetibilidade genética da dependência química, no qual avaliou estudos em famílias, gêmeos e pesquisas sobre casos de adoção.
Por fim, concluiu que existe predisposição genética, mas, o desenvolvimento do problema depende das variáveis abuso, dependência prévia de certas drogas e coligação com problemas de origem cultural e psicossocial.

Portanto, considerando 4 doenças/transtornos mentais, é possível concluir que a genética é um fator que pode colaborar ou desencadear o aparecimento destes problemas.
Para todos eles, existe tratamento. Procure um psiquiatra.

Tipos de depressão e seus respectivos tratamentos

A depressão é um distúrbio que tem afetado milhares de pessoas pelo mundo, conforme divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Muitos acreditam, de forma equivocada, que o seu único sintoma é a reclusão.
Para que não haja um agravamento da doença, é necessário acompanhamento médico. Saiba mais sobre esta doença que está na lista das mais incapacitantes do século 21 neste post.

Como identificar a depressão?
A depressão costuma apresentar alguns sintomas, sendo os mais comuns:

  • Pessimismo
  • Angústia
  • Ansiedade
  • Apatia
  • Dificuldade para se concentrar
  • Esquecimento
  • Falta de motivação
  • Falta de vontade em fazer atividades prazerosas
  • Indecisão
  • Insegurança
  • Insônia
  • Irritabilidade
  • Medos que antes não existiam
  • Perda ou ganho de apetite
  • Raciocínio lento
  • Sensação de vazio

Caso você esteja sentindo alguns destes sintomas frequentemente não hesite em procurar um médico para ter o diagnóstico correto.

Os tipos de depressão
Existem vários tipos de depressão.  Abaixo, falaremos sobre os mais comuns:

1 – Episódio depressivo
É caracterizado como um episódio depressivo aquele que apresenta alguns sintomas e que dura menos de seis meses.
Os sintomas mais comuns do episódio depressivo são: alteração do apetite, falta de prazer, ausência de iniciativa, falta de energia, lentificação motora, pensamento lento, alteração do sono.

2 – Transtorno depressivo maior
O transtorno depressivo maior apresenta os sintomas anteriormente citados, porém eles costumam durar mais de seis meses. Além de ser considerado algo mais grave, também pode haver relação com a genética.
Algumas pesquisas apontam que quem tem entes queridos que apresentam o problema tem até 40% mais chances de desenvolvê-lo.

3 – Depressão bipolar
As pessoas que possuem transtorno bipolar apresentam, às vezes, fases de depressão. Podem surgir sintomas como obsessão com assuntos determinados, ocupação com atividades diversas, agitação, hiperatividade, aumento da impulsividade, desatenção e aumento de energia.

4 – Distimia
A distimia costuma durar dois ou mais anos. A pessoa perde o interesse pelas atividades comuns do seu cotidiano, tem pouca produtividade, baixa estima, entre outros sintomas.
Normalmente estas pessoas são críticas em excesso, reclamam constantemente e não se divertem.

5 – Depressão atípica
As pessoas com depressão atípica são melancólicas e costumam ter pensamentos de morte e de inutilidade. Além disso, apresentam cansaço incomum, excesso de sono, falta de energia e humor apático.

 6 – Depressão sazonal
A depressão sazonal é aquela que surge em épocas do ano, como no inverno, festas de final de ano, entre outros.

7 – Depressão pós-parto
Muitas mães apresentam alterações de humor, assim como crises de choro, porém há aquelas que permanecem neste estado por mais tempo e os sintomas são mais intensos, originando a depressão pós-parto.

8 – Depressão psicótica
Na depressão psicótica, a pessoa, além dos sintomas comuns, também apresenta alucinações e delírios. É um tipo de depressão considerado grave, porém é mais raro, podendo ser desenvolvido por qualquer um, inclusive, por aqueles que não tenham histórico de psicoses na família.

Tratamento para a depressão
Para iniciar o tratamento, é necessário que o médico faça uma avaliação rigorosa para propor aquele que seja mais adequado para o caso.
Os medicamentos utilizados no tratamento da depressão não são considerados como drogas, apesar de muitas pessoas entenderem assim. O tempo de duração do tratamento dependerá de cada paciente, podendo levar alguns anos ou a vida inteira.
Infelizmente, a utilização dos medicamentos e/ou a realização de terapias não curam a doença e tampouco previnem o surgimento de novos episódios, porém ajudam o paciente a lidar com este estado.

Se você acha que está depressivo, não deixe para depois, agende agora mesmo uma consulta médica, para evitar o agravamento do problema.

Transtorno Bipolar: características e tratamentos

O transtorno bipolar é uma doença que interfere de forma significativa nos sentimentos das pessoas, no seu modo de agir e até mesmo na forma como elas se relacionam com os outros. O distúrbio de humor faz parte dos sintomas a serem observados.

É comum que tenhamos oscilações de humor, nos sintamos tristes e desanimados um dia, enquanto em outro estejamos mais animados e otimistas. Isso faz parte da vida!

Porém, no transtorno bipolar, essas alterações podem durar muito tempo e acontecerem de forma constante e progressiva, sendo mais intensas. Continue lendo esse post e você saberá mais sobre a doença, aprendendo a identificar os sintomas, quando necessário.

Características do transtorno bipolar

Existem duas fases predominantes no transtorno bipolar: a depressão e a mania. A alternância entre uma fase e outra é a característica principal da bipolaridade.

No início, a pessoa pode passar por um quadro chamado hipomania, no qual os sintomas aparecem de forma mais leve. O indivíduo se sente mais funcional e com mais energia, tendo uma necessidade menor de descanso, podendo dormir por pouco tempo e não ser afetado.

Mas, esse quadro não se sustenta por muito tempo, evoluindo para o estágio de mania ou de depressão, os quais podem ir se alternado e prejudicando a qualidade de vida da pessoa até que ela busque tratamento.

Veja os principais sintomas da fase de mania bipolar:

  • Euforia em excesso;
  • Agitação
  • Inquietude;
  • Mania de grandeza;
  • Alterações no comportamento sexual;
  • Pensamentos acelerados;
  • Delírios, alucinações, agressividade (em casos mais graves).

Sintomas da depressão bipolar

Agora confira os sintomas apresentados quando a pessoa entra na fase da depressão:

  • Indisposição;
  • Tristeza;
  • Lentidão;
  • Irritabilidade;
  • Ansiedade;
  • Perda de interesse e prazer por fazer atividades de que gosta;
  • Desânimo persistente;

Possíveis causas de transtorno bipolar

A causa exata da doença ainda é desconhecida, mas existem diversos fatores que influenciam seu desenvolvimento e estão ligados às oscilações de humor. Confira:

  • Genética: pelo menos até 80 por cento dos casos podem ter ligações com fatores genéticos.
  • Mecanismos neuronais: alterações nos neurotransmissores também são fatores relevantes que podem ajudar a desenvolver a doença.
  • Eventos ambientais: perdas, abusos, estresse e experiências traumáticas também aumentam os riscos de ter o problema.

Tratamentos para transtorno bipolar

Ainda não existe uma cura para doença, mas, através do tratamento contínuo, a pessoa pode levar uma vida normal.

O tratamento para transtorno bipolar é realizado através de medicação. São usados remédios chamados de estabilizadores de humor, cujo objetivo é impedir que o paciente evolua para um estado de euforia e mania ou para um quadro de depressão profunda.

Antipsicóticos e antidepressivos podem ser descritos, se o profissional responsável considerar necessário. O tratamento é recomendado não só para tratar crises atuais, mas para prevenir novos episódios.

O acompanhamento de um médico psiquiatra é fundamental, além dos medicamentos e da psicoterapia.

O transtorno bipolar é frequentemente confundido com outras doenças, devido aos sintomas serem similares. Portanto, é importante escolher um profissional qualificado e experiente para que seja dado o diagnóstico correto.

Deixe aqui seu comentário ou dúvidas sobre o assunto.

Bipolaridade tem cura? A resistência do bipolar em se tratar

O Transtorno Afetivo Bipolar é um sério problema de saúde mental que atinge cerca de 8% da população mundial e possui números elevados aqui no Brasil.
Caracterizado pela alternância entre períodos de euforia e períodos depressivos, ele é uma das principais causas de suicídio no mundo e precisa de tratamento multidisciplinar.
Mas, apesar disso, grande parte das pessoas que sofrem com este mal sequer sabem que o possuem. De fato, a maior parte dos pacientes com transtorno bipolar leva até 10 anos para descobrir a doença e, quando isso acontece, ainda resistem a procurar tratamento.
A bipolaridade possui sintomas muito característicos de outros problemas mentais como depressão e a ansiedade, dificultando o diagnóstico que, na maioria das vezes, é feito de forma errônea por parte dos profissionais de saúde.
E, quando se diagnostica corretamente, grande parte dos pacientes já aprendeu a conviver com o problema e não acha que possua algo que requeira tratamento, o que é uma conduta extremamente perigosa, pois só o tratamento adequado pode garantir uma vida normal a quem sofre com bipolaridade.
Este tratamento, inclusive, dura a vida inteira. É exatamente sobre este assunto que falaremos no próximo tópico.

Bipolaridade tem cura?

Ao todo, existem 4 tipos de bipolaridade:

  1. O Transtorno Bipolar Tipo 1, caracterizado por períodos de mania que duram, no mínimo, 7 dias e fases depressivas que podem se estender por duas semanas a até vários meses;
  2. O Transtorno Bipolar Tipo 2, em que há uma alternância entre momentos de depressão e de hipomania;
  3. O Transtorno Bipolar não especificado ou misto, com sintomas que sugerem a bipolaridade, mas não se encaixam nas alternativas anteriores;
  4. E o Transtorno Bipolar Ciclotímico, tipo mais leve de todos, com sintomas brandos em ambos os períodos.

Nenhum destes tipos tem cura, sendo necessário um tratamento durante toda a vida do paciente para garantir que os sintomas não tragam tantos prejuízos e ele consiga desempenhar as suas atividades normalmente.
O tratamento, por sua vez, é multidisciplinar e precisa ser seguido à risca para que seja eficiente, como veremos a seguir.

O tratamento

O tratamento do transtorno bipolar alia medicamentos, terapia e mudanças no estilo de vida, visando a proporcionar uma abordagem multidisciplinar que trabalhe o paciente como um todo e lhe garanta uma vida normal.
Entre as mudanças exigidas estão o fim do consumo de substâncias psicoativas, como cafeína, álcool, anfetamina, cocaína e outras drogas ilícitas, a busca por uma alimentação mais saudável, a prática de atividades físicas e a diminuição dos níveis de estresse.
Os medicamentos são prescritos com base no tipo de bipolaridade de cada paciente e a terapia visa a trabalhar as dificuldades impostas pela doença e como o paciente pode superá-las.
Assim, aliando medicamentos, a uma vida saudável e suporte terapêutico, o tratamento para o transtorno bipolar consegue oferecer uma vida normal ao paciente. O grande problema é que, mesmo assim, muitas pessoas resistem a procurar tratamento.

A resistência do bipolar e como convencê-lo a se tratar

A dificuldade em se chegar a um diagnóstico e os sintomas mais brandos de alguns dos tipos de bipolaridade acabam fazendo com que boa parte das pessoas que sofrem com o problema resistam a procurar tratamento.
Isso ainda é agravado pelo fato de que as pessoas que sofrem com transtorno bipolar, boa parte das vezes, não veem problemas em seus comportamentos inadequados, reforçando a ideia de que elas não há algo a ser tratado.
Isso é extremamente perigoso, pois os sintomas da bipolaridade são bastante imprevisíveis e podem causar sérios danos à vida do indivíduo, podendo, inclusive, levar ao suicídio nos períodos depressivos e a comportamentos perigosos nos períodos de mania.
Por isso, é preciso que os familiares procurem fazer os indivíduos que sofrem com a bipolaridade enxergarem que sim, que há algo de errado com eles e que o tratamento é necessário.

A cirurgia de redução do estômago pode levar a depressão, bulimia, anorexia e alcoolismo, entre outras doenças psiquiátricas

Ao longo dos últimos dez anos, quadruplicou o número de obesos mórbidos no Brasil. Com 45 quilos ou mais além do limite recomendável para o seu biotipo, 2 milhões de homens e mulheres estão naquele estágio em que a gordura pode causar complicações que levam à morte. Nesses casos, emagrecer é urgente e o método mais rápido e eficaz para eliminar quantidades tão grandes de tecido adiposo é a cirurgia bariátrica – a fim de limitar a ingestão e a absorção de alimentos pelo organismo do paciente, os médicos reduzem drasticamente o tamanho do estômago. Trazida para o Brasil no fim da década de 70, a cirurgia bariátrica começou a ser realizada em maior escala a partir de 2000, quando alguns seguros particulares e a rede pública de saúde passaram a pagar os custos do procedimento. Hoje, o país só perde para os Estados Unidos em número de procedimentos desse tipo. Todos os anos, 15.000 brasileiros têm o estômago diminuído. O efeito costuma ser impressionante. Passado um ano da operação, perdem-se, em média, 40% do peso inicial. Muitos pacientes continuam gordos, mas todos saem do patamar da obesidade mórbida. A redução do estômago é uma cirurgia de alta complexidade e, como tal, implica perigos. Um deles é a obstrução do intestino dias depois do procedimento. Há, porém, um tipo de complicação pós-operatória que não se relaciona ao ato cirúrgico em si – e sobre o qual pouco se fala. São os transtornos psiquiátricos. Para cerca de 20% dos operados, a conquista da magreza leva a depressão, bulimia, anorexia, alcoolismo, dependência de drogas ou compulsão por jogo, compras ou sexo.

Poucas intervenções são tão radicais quanto as cirurgias de emagrecimento. O estômago reduzido perde até 90% de sua capacidade de absorção. O paciente, antes habituado a consumir até 1 quilo de comida por refeição, vê-se obrigado a satisfazer-se com 100, no máximo 200, gramas, e a voracidade precisa ser substituída pela paciência de mastigar dezenas de vezes uma única garfada. Comer em excesso ou demasiadamente rápido causa um tremendo mal-estar, cujos sintomas vão de náuseas e vômito a taquicardia, engasgos e fraqueza. Um estômago menor requer, assim, disciplina física e reorientação psicológica. O operado tem de aprender a viver e pensar como magro, o que não é fácil. Por esse motivo, diferentemente do que muita gente imagina, o tratamento cirúrgico da obesidade não se encerra com a alta hospitalar. “Esses pacientes requerem acompanhamento para o resto da vida”, diz o cirurgião Arthur Garrido, professor da Universidade de São Paulo e pioneiro no Brasil das operações bariátricas. Sem o monitoramento de uma equipe de especialistas, aumentam os riscos de manifestação de transtornos psiquiátricos.

Grande parte dos obesos sofre de compulsão por comida. Submetidos à cirurgia bariátrica, eles não podem mais comer como antes, mas continuam compulsivos – o que faz com que desenvolvam outros distúrbios afins, num processo de compensação. A substituição de uma compulsão por outra é resultado da conjunção de dois fatores. O primeiro deles é de ordem orgânica. Nesses pacientes, a resposta do estômago à ação do hormônio da saciedade é tímida. Além disso, eles são mais suscetíveis ao hormônio da fome (veja quadro). Ou seja, naturalmente sentem mais apetite e têm mais dificuldade para se fartar do que os magros. Os obesos compulsivos por comida sofrem ainda de outro descompasso na química cerebral. Eles produzem poucas quantidades de dopamina e serotonina, substâncias associadas à sensação de bem-estar, determinantes na cadeia de comando cerebral que estabelece o momento de parar de ingerir alimentos por prazer. O resultado disso é que, por mais que comam, nunca estão satisfeitos. Somam-se a esse desequilíbrio neuroquímico fatores psicológicos que fazem com que a comida sirva como válvula de escape para a falta de auto-estima que acomete os obesos. Instala-se, então, um círculo vicioso. “Quando essas pessoas são privadas da comida, por causa da cirurgia, elas buscam novas formas para satisfazer suas carências psicológicas”, diz Marlene Monteiro da Silva, psicóloga do Hospital das Clínicas de São Paulo. A dona-de-casa Ana Lúcia Reis dos Santos, de 42 anos, trocou a comida pelas compras. Em 2002, com 115 quilos em 1,62 metro, ela submeteu-se à operação de redução do estômago. Um ano depois, 50 quilos mais leve, quando começou a refazer o seu guarda-roupa, Ana Lúcia se deu conta de que, apesar da silhueta alinhada, continuava doente. “Eu fazia compras com a mesma voracidade e aflição com que comia”, lembra. Com psicoterapia e antidepressivos, Ana Lúcia acredita que, em breve, será uma mulher magra com uma conta bancária mais gorda.

As mudanças de hábitos impostas pela redução do estômago podem ser tão penosas que alguns pacientes pedem que a cirurgia seja desfeita – o que nem sempre é possível. Outros criam estratégias para driblar as limitações impostas pelo estômago reduzido e saciar a vontade de comer. A maioria escolhe o leite condensado – que é pastoso, calórico, sacia rapidamente e pode ser digerido com facilidade. Os compulsivos, evidentemente, tomam litros por dia. O comerciante J.S., de 42 anos, enveredou por um caminho mais perigoso. Submetido à cirurgia bariátrica em 1997, um ano depois ele começou a beber. Em pouco tempo, transformou-se num alcoólatra e praticamente parou de comer. Com 1,92 metro de altura, chegou a pesar 78 quilos – 112 menos do que quando foi para a mesa de operação. Com problemas hepáticos e conflitos no casamento por causa da bebida, há um mês ele decidiu finalmente procurar ajuda. Está em tratamento com um psicólogo e um psiquiatra. “Ainda não sei o que é pior: se a obesidade ou o alcoolismo”, diz, com a voz embargada. Os arquivos dos principais hospitais e clínicas especializadas em cirurgia bariátrica guardam dramas ainda piores. Há vários casos de pacientes que, em profunda depressão, cometeram suicídio.

Os transtornos psiquiátricos costumam se manifestar entre o primeiro e o terceiro ano subseqüentes à redução do estômago. É quando, passado o entusiasmo com a nova silhueta, os ex-obesos têm de confrontar as limitações que serão para toda a vida. Nesse momento é que, na falta de apoio, o compulsivo volta a manifestar sua doença. A produtora Alessandra Cucatti Sarilho, hoje com 21 anos, tinha 145 quilos acumulados em 1,65 metro de altura quando fez a redução do estômago, em 2001. A euforia com o novo corpo durou dois anos. Depois disso, Alessandra desabou. “Passei a sentir aquela tristeza dos tempos em que eu era gorda”, diz. Ela, então, voltou a comer vorazmente, o que lhe causava mal-estar e culpa. A trilha estava aberta para que se tornasse uma bulímica.

Alguns psiquiatras defendem a tese de que as operações bariátricas podem favorecer o surgimento de transtornos alimentares que merecem ser estudados com mais cuidado, apesar de sua semelhança com distúrbios conhecidos. Na anorexia clássica, o doente não come porque se vê mais gordo do que realmente é. Na bulimia tradicional, ele come, mas procura se livrar da comida induzindo o vômito ou tomando laxantes. “Há, entretanto, uma diferença crucial entre esses transtornos e os que se manifestam nas pessoas que passam pela cirurgia: a motivação para tais comportamentos”, diz Adriano Segal, psiquiatra da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso). “Esses pacientes desenvolvem um tipo de anorexia e de bulimia que ainda não foram descritos na literatura médica. Eles deixam de se alimentar não por uma percepção distorcida do próprio corpo, mas porque têm medo de voltar a engordar.” Apesar de sutil, essa distinção é essencial para que se criem métodos de tratamento específicos – tanto remédios como terapias – para os ex-obesos que sofrem de tais males.

Giuliana Bergamo

Fonte: http://veja.abril.com.br/