Fobia Social / Exposição social

0

O primeiro dia de aula ou de trabalho pode trazer uma leve sensação de ansiedade por ser uma experiência nova com pessoas que você ainda não conhece.
O problema é quando o indivíduo tem a sua vida impactada por se sentir ansioso com situações de interação social mais simples, como precisar pedir informação para alguém desconhecido na rua.
As pessoas que apresentam este tipo de comportamento – por vezes tachadas de metidas e esquisitas – possuem, na verdade, fobia social.
Como o seu próprio nome indica, este transtorno de ansiedade se caracteriza pelo medo de se relacionar em sociedade. Conheça agora um pouco mais sobre esta doença de ordem mental e o que pode ser feito para tratá-la.

Como a fobia social se manifesta?

A ansiedade é um sentimento comum a todos os seres humanos. Entretanto, ela passa a ser um problema quando se manifesta de forma exagerada, descontrolada e começa a atrapalhar a vida do indivíduo.
No caso da fobia social, aquela sensação de ansiedade comum em pensar na entrevista de emprego ou criar laços em um espaço ainda desconhecido se transfere para situações cotidianas, nas quais a pessoa tem crises de ansiedade só de imaginar interagir com alguém desconhecido.
Por isso, ela passa a evitar ir a determinados lugares, conversar com pessoas no geral e estabelecer vínculos de amizade. Isso porque tem medo de julgamentos alheios, de viver momentos constrangedores, tendo a impressão de que sempre há alguém vigiando.
E assim deixa de viver coisas importantes na vida, como ter amigos na escola, na faculdade, no trabalho, namorar e ir a festas. De igual modo, deixa-se também de viver situações cotidianas, como ir a um banheiro público, comer em um restaurante e entrar em uma sala onde há pessoas sentadas.
Como sintomas físicos, pode-se destacar:

  • Coração acelerado;
  • Mãos e pés que suam frio;
  • Dor no estômago;
  • Náusea;
  • Diarreia;
  • Falta de ar.

Tratamento

Como todo transtorno mental, a fobia social pode ser controlada por meio de alguns tratamentos como:

  • Psicoterapia: em encontros periódicos, o paciente será levado a reconhecer o seu quadro e a identificar quais foram as situações que o levaram a desenvolver este transtorno. Ele será incentivado a pensar nas fontes de ansiedade que encontra em seu cotidiano e quais as estratégias que pode adotar para combater o problema e conseguir interagir socialmente.
  • Uso de ansiolíticos: se necessário, dependendo do grau do transtorno, será recomendado ao paciente fazer também o tratamento com medicamentos ansiolíticos que ajudam a combater os sintomas físicos da fobia.

Assim, é essencial que o indivíduo procure ajuda de um profissional da saúde qualificado. Ele é a pessoa capacitada para fazer o diagnóstico correto do que se está sentindo e indicar o tratamento ideal para o caso.
Você se identificou com os sintomas de fobia social ou conhece alguém com comportamento semelhante? Confie na Clínica Prisma. Venha nos fazer uma visita. Nossos profissionais estão prontos para ajudá-lo no que for preciso!

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui