Síndrome do pânico: o medo de ter medo

0

A Agorafobia ou o “medo de ter medo” é uma característica grave de uma fase complexa da Síndrome do Pânico, assim como um dos sentimentos mais comuns em quem sofre com essa doença.

A Síndrome do Pânico é um transtorno mental marcado pelo medo intenso. Em níveis mais graves, ela pode causar um pavor tão impactante que é capaz de impedir a pessoa de sair de casa ou ter qualquer relação social externa.

Isso ocorre porque o indivíduo evita se colocar em situações e ambientes que possam provocar novas crises de pânico. É aí que voltamos para o ciclo do “medo de ter medo”, pois a pessoa tem medo de sentir medo e consequentemente passar por outro episódio da crise.

Muitas vezes a Síndrome do Pânico vem acompanhada de outros transtornos, como a Fobia Social, a Ansiedade e a Depressão ou o Transtorno de Estresse Pós-Traumático.

 

Sintomas e causas

As crises de pânico podem vir caracterizadas por pelo menos quatro dos sintomas abaixo:

  • Transpiração excessiva;
  • Palpitações;
  • Náuseas;
  • Ondas de calor ou calafrios;
  • Falta de ar ou sufocamento;
  • Tremores;
  • Desrealização (perda do senso de realidade);
  • Tonturas ou confusões mentais;
  • Sensação de perda de controle;
  • Dormência ou formigamentos;
  • Medo de morrer.

 

Ainda não se pode dizer com certeza o que causa a Síndrome do Pânico. No entanto, é possível apontar alguns fatores de risco que são notados com frequência em quem passa pelas crises, como:

  • Disfunção biológica ligada aos neurotransmissores (substâncias químicas produzidas pelas células nervosas);
  • Situações traumáticas do passado;
  • Estilo de vida estressante;
  • Dependência química ou alcoólica;
  • Hereditariedade (apesar de ainda não ser um consenso entre especialistas).

 

Tratamentos

            Os sintomas da Síndrome do Pânico merecem atenção, mesmo que sejam leves e iniciais. Eles não vão parar de acontecer. Na verdade, só vão piorar porque a pessoa terá ainda mais medo de que eles aconteçam novamente.

Procurar um tratamento psiquiátrico e psicológico é essencial para a melhora desse transtorno. Os profissionais ajudarão o indivíduo a entender o que se passa em sua mente, assim como o auxiliarão a controlar os sintomas para que se sinta melhor fora de casa.

Vale dizer que o suporte familiar é muito importante para esse tratamento. Com amigos e familiares apoiando cada melhora e cada passo, fica muito menos difícil seguir o caminho contra a Síndrome do Pânico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui