Tratamento psiquiátrico (Hospital Dia) intensivo e tratamento psiquiátrico com internação: veja as diferenças

0

Existem algumas doenças que exigem um tratamento diferenciado e em um ambiente especial. O tratamento precisa ser realizado em um local que ofereça o suporte necessário para um restabelecimento o mais breve possível.

Um desses casos são as doenças relacionadas à psiquiatria, transtornos ou distúrbios psicológicos.

A psiquiatria trabalha com tudo que está relacionado ao sofrimento mental, envolvendo seu diagnóstico, prevenção, tratamento, entre outros. São exemplos de doenças relacionadas ao sofrimento mental:

  • Depressão;
  • Transtorno bipolar;
  • Esquizofrenia;
  • Ansiedade;
  • Demência.

 

Tratamento psiquiátrico intensivo sem a necessidade de internação

O fato de não haver internação não significa que os resultados serão menores ou insatisfatórios.  Tratamentos que não precisam de internação são indicados para casos mais leves, em que o paciente ainda tenha controle e possa cuidar de si em casa sem que isso prejudique o resultado do tratamento.

No caso de tratamento intensivo sem internação, o paciente faz todo o acompanhamento na clínica ou instituição de saúde e pode voltar para casa no final da tarde, levar uma vida normal, conviver com outras pessoas sem oferecer nenhum risco a elas e nem causar danos a si mesmo.

As pessoas que recebem esse tipo de tratamento precisam ter consciência da sua importância e ter disciplina para segui-lo corretamente, respeitando os horários das medicações e mantendo a agenda sugerida para ela, com consultas, sessões de terapia, etc.

O tempo de tratamento é de aproximadamente 30 dias. Ele é indicado para pessoas maiores de 18 anos, portadoras de males como depressão, transtorno de ansiedade, transtornos de humor e quadros psicóticos.

Aqueles que já passaram pelo tratamento com internação e agora só precisam fazer um acompanhamento de rotina também são público-alvo desta modalidade, também conhecida como Hospital Dia. Sua principal vantagem é não privar o paciente do convívio familiar.

 

Tratamento psiquiátrico com internação

A internação psiquiátrica é necessária em casos graves, quando o paciente não tem condições de realizar o tratamento em regime ambulatorial. Isso ocorre quando o indivíduo começa a perder sua liberdade e autonomia, não conseguindo mais manter sua qualidade de vida por conta do distúrbio mental.

Ela também indicada em casos nos quais o indivíduo se torna uma ameaça para si mesmo e para a sociedade. Seu objetivo é tratar o paciente, cuidar do seu bem-estar psíquico e reinseri-lo na sociedade para que ele volte a ter uma vida normal.

Dependendo do grau, tipo de doença e a relação que a pessoa tenha com a doença, a internação pode acontecer de 3 formas diferentes:

  • Internação involuntária: é solicitada por alguém da família e acontece contra a vontade suposto paciente.
  • Internação voluntária: acontece de forma voluntária, espontaneamente. O indivíduo toma a decisão de se internar.
  • Internação compulsória: é solicitada pelo juiz e nem mesmo a família pode intervir nessa decisão.

Uma das vantagens do tratamento com internação é que o paciente receberá acompanhamento médico o tempo todo, o que geralmente colabora para um rápido restabelecimento, pois o tratamento e a medicação serão feitos de forma correta e no tempo certo.

 

Só uma avaliação profissional pode dizer qual o tipo de internação é necessário para cada pessoa, pois o diagnóstico final dependerá de muitos fatores. Procure seu médico e converse com ele a respeito

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui