INFORMATIVO

Alcoolismo

Dependência Química

Transtornos Psiquiátricos

Amnésia Dissociativa

Ansiedade antecipatória

Autismo

Autoestima

Dependência Química

Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Resposta: Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido. Pessoas com alterações em genes específicos possuem um risco maior de desenvolver a dependência. Outro fator importante é o ambiental. Indivíduos com estrutura emocional desadaptada à vida cotidiana, associada à dificuldade de aprendizado com a experiência e elaboração das frustrações, são mais propensos a iniciar e dar continuidade ao uso de substâncias psicoativas diversas.

Dependência química tem cura?

Resposta: A dependência química instalada é uma doença crônica, de longa evolução. Atualmente falamos em controle do quadro, mas evita-se o termo cura. Qual o melhor método de tratamento para dependência química? Não existe um melhor método. Sabe-se que uma equipe multidisciplinar especializada gera melhores resultados. Deve ser feita uma avaliação individualizada e escolher as melhores intervenções terapêuticas disponíveis, incentivando a participação do paciente e dos familiares no processo de tratamento.

O que é redução de danos?

Resposta: Redução de danos é uma forma de tratamento em dependência química utilizada para pacientes que não querem ou não conseguem interromper o uso de drogas. O enfoque está na diminuição dos riscos e malefícios acarretados pela droga, e não diretamente na interrupção do uso. Não deve ser feita sem a direção e orientação de uma equipe experiente.

Como a dependência química deve ser encarada pela família?

Resposta: Com entendimento, sensibilidade e atitude. Entendimento porque é uma doença grave; sensibilidade porque adotar uma postura de acusação prejudica o diálogo e não ajuda o indivíduo; atitude porque deve- se buscar, o mais rapidamente possível, aconselhamento e tratamento com equipe especializada.

Meu filho está diferente. Como fica alguém que está usando maconha?

Resposta: No início os principais sintomas são de euforia, ansiedade, desconfiança, riso inadequado e julgamento alterado das situações. Pode-se perceber o indivíduo com a boca seca, olhos vermelhos e aumento do apetite.

Medicamentos podem me impedir de usar drogas?

Resposta: Os sintomas de intoxicação e abstinência são tratáveis através de medicação. Quadros psiquiátricos secundários ao abuso ou dependência de drogas, como depressão, ansiedade, pânico, insônias, melhoram com o tratamento medicamentoso. Não é possível afirmar, no entanto, que o uso de qualquer medicação específica impedirá o indivíduo de usar drogas.

Quando a internação fechada é necessária?

Resposta: A internação é reservada para uma porcentagem muito pequena de casos. Ela deve tratar os sintomas agudos e vincular o indivíduo a uma proposta de tratamento posterior, como por exemplo, hospital dia. Se estes critérios não são observados a internação pode ser totalmente ineficaz.

Em quais casos o hospital dia é eficaz para tratar dependentes químicos?

Resposta: O hospital dia é um excelente equipamento de tratamento para dependentes químicos, porque possibilita a melhora dos sintomas com a vantagem de oferecer maiores perspectivas de reinserção social e organização de vida, mantendo o paciente ligado a família, no contexto de inclusão social.

Já internei meu filho diversas vezes, mas ele continua recaindo nas drogas. Notei que o ambiente conturbado da família não lhe faz bem. O que mais posso fazer para ajudá-lo?

Resposta: A internação fechada não é o único equipamento de tratamento para dependência química. Atualmente o hospital dia consegue trabalhar a redução ou interrupção do uso da droga, o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento de estressores sócio-familiares e maior eficácia na prevenção da recaída e reorganização de vida.

Qual o efeito das drogas sobre o cérebro?

Resposta: Depende da droga. Todas elas têm algo em comum. Atuam junto ao chamado sistema de recompensa, formado por algumas estruturas cerebrais específicas, que, ativadas, produzem excesso de liberação de neurotransmissores, como dopamina, serotonina e adrenalina, ocasionando reação inicial de intenso prazer e bem estar.

As drogas podem causar doenças mentais?

Resposta: Sim. Além da dependência química, o uso de drogas pode iniciar ou precipitar o surgimento de outras patologias psiquiátricas, como a síndrome do pânico, depressão, distúrbios alimentares, alucinações e delírios, e até mesmo quadros psicóticos mais graves.

O Alcóolicos Anônimos funciona mesmo?

Resposta: Os grupos de mútua-ajuda são constituídos por dependentes em recuperação e não comportam a presença de um terapeuta propriamente dito. Eles visam o trabalho de aceitação da impotência perante a substância, a ajuda mútua e o desenvolvimento da espiritualidade por meio de 12 passos.

Muita gente usa maconha. É uma droga recreativa. Existe algum risco?

Resposta: Riscos sempre existem. Há muita controvérsia e discussão nos meios de comunicação sobre este fato, principalmente pela liberação da comercialização em alguns países (vide redução de danos). No entanto, a maconha pode desencadear efeitos importantes, tais como, síndrome amotivacional (perda de interesse pelas coisas e prazer), queda de rendimento escolar ou profissional, ansiedade, depressão, infertilidade, delírios de perseguição e alucinações.

Não consigo convencer meu marido a buscar tratamento, mas a situação está muito difícil, porque ele não para de beber. Me ajude.

Resposta: A negação da doença é mais uma característica da dependência de drogas. A negação pode ser até amplificada por uma abordagem de acusação e intolerância. Existem técnicas que possibilitam o desenvolvimento de uma crítica sobre a situação e, enfim, a aceitação do tratamento, mas cada caso deve ser avaliado nas suas particularidades. No teu caso, sugerimos o aconselhamento familiar.

Já tentei de tudo, mas não consigo parar de cheirar cocaína. O que mais posso fazer? Não quero ser internado.

Resposta: O tratamento para a dependência de drogas pode ser longo e difícil, mas só tem uma saída para o sucesso: NÃO DESISTIR. No seu caso pode ser que seja necessário internação, ou tratamento intensivo em Hospital Dia, mas com certeza, mantendo e seguindo um tratamento especializado você verá que valeu todos os esforços.

Trabalho normalmente. Sou responsável, tenho família e filhos. Desde jovem uso maconha diariamente e cocaína ocasionalmente em pequena quantidade. Agora decidi parar, mas percebi que não consigo sozinho. Onde posso encontrar ajuda?

Resposta: A primeira coisa é procurar ajuda especializada; não espere até o padrão de uso piorar. Você apresenta o sintoma de não conseguir ficar sem o uso da substância, mesmo com intuito de fazê-lo, que é um dos critérios para dependência química. Com o tempo você corre o risco de desenvolver tolerância, que o levará a usar quantidades cada vez maiores da droga para obter os mesmos efeitos, o que pode agravar o quadro.

Está cada vez mais difícil fumar pela proibição da lei anti-fumo. Quero aproveitar e me ver livre desse problema. O que posso fazer?

Resposta: Uma porcentagem muito pequena de tabagistas consegue parar de fumar sozinho. Atualmente dispomos de programas de tratamento do tabagismo que englobam técnicas psicoterápicas e uso de medicamentos específicos, com excelentes resultados e baixas taxas de recaída.

Fico o dia todo na internet, não consigo parar de teclar e jogar no computador? Será que estou viciado?

Resposta: Pelo seu relato, seu padrão de uso não é equilibrado ou saudável. É preciso avaliar melhor o grau de prejuízo que a atividade está gerando em seu cotidiano, para diferenciarmos em uso abusivo, nocivo ou dependência. Procure uma avaliação especializada.

Depressão, Pânico, Ansiedade, Estresse e outros males do Século XXI

Como posso saber se tenho depressão?

Resposta: O diagnóstico de depressão deve ser feito por um especialista em saúde mental. Em geral o indivíduo deve apresentar alteração significativa do humor ou do prazer nas atividades cotidianas por período mínimo de 15 dias, associados à alteração do apetite, sono, libido, com sentimentos de menos valia, diminuição da energia, entre outros.

Tenho crises em que acho que vou morrer. Já procurei médicos e todos dizem que não tenho nada. Como posso me tratar?

Resposta: Pode ser que você esteja com ataques de pânico. Eles podem se precipitados por fatores estressores ou sem desencadeante aparente. Há métodos psicoterapêuticos e medicamentos com excelentes resultados no tratamento de quadros semelhantes.

Falo muito rápido, quase não consigo acompanhar meus pensamentos, e sou muito impulsiva. Não estou trabalhando porque estou a ponto de agredir alguém de tanto nervosismo. Isso é ansiedade?

Resposta: Difícil dizer sem avaliar melhor seu caso. O prejuízo funcional é grande, já que você não está conseguindo trabalhar. Talvez haja necessidade de um tratamento intensivo em hospital dia para ajudá-la com estratégias de enfrentamento de estressores e controle de impulsividade.

Qual o melhor tratamento para depressão?

Resposta: O transtorno depressivo tem vários tipos e gravidades específicas. Em geral o tratamento vai desde psicoterapia até medicações em altas doses. Nos casos mais graves, em que a pessoa não consegue exercer atividades de trabalho, indica-se o tratamento intensivo em HOSPITAL DIA.

Não consigo entender o que acontece comigo. Há dias em que estou super bem enão paro um minuto, outros em que não quero nem levantar da cama. Isso me prejudica demais, inclusive perdi empregos e oportunidades em função disso. Algum comentário?

Resposta: Você pode estar sofrendo de um transtorno de humor do espectro bipolar. O diagnóstico deve ser feito através de avaliação psiquiátrica e da exclusão de outras patologias orgânicas e psíquicas. O tratamento vai desde uso de medicamentos até encaminhamento para semi-internação em hospital dia.

Quais os benefícios da psicoterapia de grupo?

Resposta: As psicoterapias de grupo estão bem indicadas na maior parte dos transtornos psiquiátricos conhecidos. O ambiente grupal oferece uma série de oportunidades de aprendizado, reflexão, identificação e experiências emocionais corretivas, essenciais na evolução do tratamento de patologias psíquicas.

Só durmo com calmantes que o meu ginecologista passou. Isso é um problema?

Resposta: Existem mais de 50 causas de insônia. Ela deve ser investigada, inclusive com a realização de exames específicos, como a polissonografia. Se a causa for um transtorno psiquiátrico como a depressão ou ansiedade, o uso de calmantes não deve ser o tratamento principal, com risco adicional de desenvolver dependência. Procure um psiquiatra e faça uma avaliação.

Preciso ler 3 vezes a mesma coisa para conseguir memorizar e estou perdendo rendimento na faculdade. Existe alguma “vitamina” para memória?

Resposta: Não. A perda de memória é um sintoma presente em boa parte dos transtornos ansiosos e de humor, além dos quadros de déficit de atenção. Se for o caso a solução é tratar dos quadros de base, do contrário a memória dificilmente melhorará.

Sofri um assalto no meu local de trabalho e desde então não consigo mais me concentrar. As cenas não saem da minha cabeça e às x nem consigo sair de casa. O que está acontecendo comigo?

Resposta: O que está acontecendo com você é cada vez mais comum em grandes centros urbanos. Pessoas submetidas a eventos traumáticos podem desenvolver sintomas específicos, chamados de reação aguda ao estresse ou transtorno de estresse pós traumático. Na maioria dos casos deve-se manter a pessoa afastada de suas atividades laborativas, iniciando tratamento psicoterápico e medicamentoso, inclusive com indicação de tratamento intensivo em regime de Hospital Dia.

O estilo de vida é importante no controle do estresse?

Resposta: Sem dúvida. Prática de exercícios físicos, lazer com frequência, relacionamentos interpessoais satisfatórios, atividades voluntarias e aprendizado contínuo estão implicados em maior controle do estresse. Falta de produtividade e endividamento são fatores comumente associados ao aumento do nível de estresse do indivíduo.

Quanto tempo dura o tratamento para depressão?

Resposta: Depende de uma série de fatores como idade, número de episódios anteriores, gravidade, existência de outros quadros psiquiátricos associados. Em geral, exige-se um período de 12 meses de estabilização para cogitar a ideia da retirada do antidepressivo.

Existe recaída no tratamento para depressão?

Resposta: Com certeza. De cada 2 casos tratados de depressão, certamente 1 terá uma recaída no período de 5 anos. Assim, estratégias de prevenção e promoção da saúde devem ser instituídas, bem como o conhecimento dos sintomas iniciais, visando maior rapidez no diagnóstico e eventual tratamento.

Não consigo sair de casa para trabalhar, sinto medo de locais com muitas pessoas e acabo passando mal. Como posso melhorar se já estou tomando medicação psiquiátrica?

Resposta: A medicação não é a única alternativa de tratamento dos casos fóbico -ansiosos. Admite-se o tratamento associado da psicoterapia para efetiva melhora dos sintomas. Nos casos mais graves, refratários ao tratamento habitual, surge como alternativa o tratamento intensivo em regime de hospital dia.

JORNAIS E REVISTAS

VÍDEOS

RÁDIO

Com olhar sistêmico, buscamos a melhoria das relações interpessoais e da qualidade de vida, estimulando e acreditando no potencial de superação do ser humano.